Liderança

MEU CONVÍVIO COM JACK WELCH

 

Prof. Eng. Claudiney Fullmann, Ph.D.

 

Jack Welch, nomeado presidente da GE em 1981, com quem convivi de 1982 a 1988, antes de ser considerado o executivo do século XX, nos primeiros três anos de seu mandato, foi incompreendido e temido por suas atitudes. Embora a GE tenha sido a única que sempre esteve entre as 10 melhores durante 100 anos, foi Jack quem provocou uma mudança radical na década de 80, antecipando-se às mudanças da globalização que empresas do mundo inteiro foram obrigadas a fazer de forma desesperada.

 

Jack foi um rebelde que amadureceu para se tornar um líder. Seu alvo foi implantar e cultivar valores que ele preserva: autoconfiança, lisura e uma decisão inabalável de enfrentar a realidade, mesmo quando penosa. Welch fez a receita para vencer: Velocidade, Simplicidade e Autoconfiança. Implacavelmente positivo, Jack se deleitava em seu próprio entusiasmo; quando desgostoso, avançava com uma bateria de obuses, destruindo toda a oposição. “Temos um desastre aqui.” Enquanto olhava fundo em seus olhos, Jack lhe dizia exatamente o que pensava que você fez de errado. Mas, se você conseguisse aguentar o repuxo e retrucar, Welch ouvia e reconhecia seu valor. Ao resolver um problema por ele levantado, logo estaria aquecendo-se ao calor do espírito alegre do presidente.

 

A primeira ideia revolucionária de Welch foi a famosa “número-um-ou-número-dois” traduzida para: se você não for o número um ou número dois em seus mercados de atuação, você tem três alternativas: Recuperar, Vender ou Fechar.

 

A segunda foi a dos três-círculos interligados, onde os negócios “número-um-ou-número-dois” se aglutinavam em: Central, Tecnologia e Serviços – Ficaram apenas 15 negócios. Os que estavam “fora dos três círculos” seguiram outros destinos.

O sucesso de Welch como líder dependeu menos de sua personalidade do que da qualidade de seus pensamentos. Inteligente, intelectualmente disciplinado e criativo, desenvolveu um estilo de gerenciamento que explora o poder das ideias revolucionárias baseadas em valores e crenças. Ele começou o processo orquestrando um diálogo de ideias, para mudanças incrementais e quânticas.

 

Acredito que os três principais pilares do sucesso de Welch foram Ideias, Valores e Energia Emocional, este voltado ao capital humano. Welch recomenda:

  • Selecione pessoas pelo Edge (coragem, ousadia, determinação, energia, têmpera, garra, eficácia, pulso firme, força moral, integridade, vitalidade, realismo e entusiasmo) que possuem.
  • Conscientemente trabalhe para energizar pessoas em cada oportunidade que apareça.
  • Crie e use mecanismos de larga escala para energizar e comunicar (DDM – Desafio das Mudanças, Work-out, Six Sigma, etc.). Costumo implantar o DDM em empresas por meio do “Outdoor Learning” para mudança cultural com excelentes resultados.

 

O que sempre admirei e aprendi com Jack foi o gesto de premiar as pessoas que correm riscos de implantar ideia nova e fracassa. As pessoas ficam encorajadas a continuarem buscando inovação. Claro que o prêmio é maior quando o resultado é um sucesso.

 

As ideias gerenciais incomuns de Welch podem ser aprendidas:

  • Pratique o oportunismo repleto de planos;
  • Escarafunche as informações até encontrar uma solução simples;
  • Teste as ideias através do conflito construtivo;
  • Trate todos os subordinados como iguais, mas recompense cada um deles estritamente de acordo com seu mérito;
  • Evite concessões ao decidir;
  • Substitua as organizações hierárquicas por equipes unidas, usando a competição interna para treinar seus jogadores;
  • Dê ao pessoal todas as oportunidades de identificação com seu negócio. Seu entusiasmo é seu bem mais valioso.

 

A maioria dessas ideias que orientou a revolução na GE tornou-se princípio básico de gerenciamento de qualquer empresa e da vida de qualquer um: Controle seu destino antes que alguém o faça. Encare a realidade como ela é, não como ela era ou como você gostaria que ela fosse. Seja gentil com todas as pessoas. Não gerencie, lidere. Mude antes de ser obrigado a mudar. Se não tiver uma vantagem competitiva, não entre na competição.

 

Estas lições de Welch, que pratico e ensino até hoje, poderão fazer você vencer, desde que as pratique de forma obstinada.

 

 

08/09/2015

MEU CONVÍVIO COM JACK WELCH

MEU CONVÍVIO COM JACK WELCH   Prof. Eng. Claudiney Fullmann, Ph.D.   Jack Welch, nomeado presidente da GE em 1981, com quem convivi de 1982 a 1988, antes de ser […]
08/09/2015

Convertendo Potencial em Desempenho

Convertendo Potencial em Desempenho Claudiney Fullmann As pessoas possuem um potencial ilimitado. Discordo da citação de que alguém “atingiu seu limite de competência”.  Pode acontecer de não apresentarem eficácia, mas […]
08/07/2015

Construindo líderes

Construindo líderes Claudiney Fullmann As pessoas precisam de orientação desde que nascem. Mesmo aquelas que vêm ao mundo com talentos especiais, a família, a escola, a igreja, a comunidade e […]
08/07/2015

Motivação de A a Z

Motivação de A a Z Claudiney Fullmann No campo da motivação, após a metade do século passado, teóricos sociais marcaram seus conceitos, desde Abraham Maslow com a hierarquia das necessidades, […]
08/07/2015

Inteligência Emocional do Líder

Inteligência Emocional do Líder Claudiney Fullmann Há pelo menos dois mil anos discute-se a relação entre razão e emoção. Os filósofos, os estóicos da Grécia e Roma antigas, acreditavam que […]
08/07/2015

Resiliência ao Estresse

Resiliência ao Estresse Claudiney Fullmann No processo de desenvolvimento da liderança promovido pela Revista Venda Mais, em janeiro deste ano discorri sobre os parâmetros com que o líder de vendas […]
08/07/2015

Comprometimento

Comprometimento Claudiney Fullmann “Não me comprometa!” foi um quadro humorístico no passado que mostrava um indivíduo incapaz de assumir qualquer responsabilidade como gente, profissional e muito menos como líder. Sua […]
08/07/2015

LÍDER – BÚSSOLA DA EQUIPE

LÍDER – BÚSSOLA DA EQUIPE Claudiney Fullmann Imaginemos um barco em alto mar navegando tranquilamente, com todos ocupados em seus afazeres, quando, de repente, uma tempestade agita o mar, os […]
08/07/2015

Líder com iniciativa – arquiteto do próprio destino

Líder com iniciativa – arquiteto do próprio destino Claudiney Fullmann “Prefiro segurar louco a empurrar bobo”! Quando ouvi esta frase de um grande líder em vendas, além de rir ao […]