admin

DOSES DE PRODUTIVIDADE – X

 

Depois de comentar sobre a influência positiva do aumento da velocidade na produtividade na última dose, deparei-me com sua redução na Marginal do Pinheiros. O prefeito paulistano do PT mais uma vez comprovou ser um causador de infecção para a produtividade. Reduzir para 50 km/h a velocidade que era de 100km/h em uma pista construída para ser de alta velocidade é um atraso. Não bastasse o eterno congestionamento de nossas vias, comemorado diariamente pela CET, tal medida aumenta o tempo perdido em trajetos de ida para o trabalho e retorno para casa; gasta-se inutilmente de 3 a 4 horas por dia, 90 a 120 horas por mês! Isto equivale a quase metade do mês de desperdício de tempo e perda de produtividade coletiva. Um significativo prejuízo para o trabalhador, empresas e PIB. Nada se produz nesse período, mas aumenta o estresse de todas as pessoas.

 

A maior quantidade de acidentes nas marginais é provocada por motoqueiros abusados e inconsequentes e buracos nas pistas que obrigam freadas bruscas. Em lugar de gastar dinheiro em placas de sinalização, pintura vermelha em ciclovias que afunilam as avenidas, avisos e faixas de avisos, deveria investir em tapar buracos, construir e exigir construção de calçadas adequadas para pedestres e cadeirantes, construir galerias para evitar enchentes (em vez de sinalizar as áreas para transferir a culpa para os motoristas) e muito mais em Metrô para tornar as viagens mais rápidas.

 

Há uma relação inversamente proporcional entre velocidade e tempo – maior velocidade, menor tempo – e menor tempo é uma das boas doses de produtividade.

 

Uma dose clássica de produtividade, principalmente para a indústria, é o método. Métodos racionais, gestos harmônicos e contínuos permitem aumentar a produção sem aumentar a fadiga. O método determina o tempo! Uma ferramenta internacional de grande valia é o sistema MTM (Method Time Measurement), descrito sumariamente entre as páginas 472 e 485 do livro O Trabalho – Passos para produtividade – publicado pela Educator.

 

Dose quase profilática é a do processo. Ele garante o fluxo contínuo e sincronizado de produtos e serviços em todas as atividades. Uma vez definido um processo sem desperdícios, sem esperas nem paradas, o método esmiúça cada atividade para a melhor produtividade.

 

A Engenharia Industrial estuda processos, métodos e tempos para todos os trabalhos de produção e administração. A produtividade de máquinas e pessoas é conseguida sem desperdícios de tempo nem de materiais.

 

Não poderia deixar de comentar o atual uso inadequado do celular. Uma tecnologia fantástica para o aumento da produtividade em comunicação, deturpada em seu uso viciante. Médicos chegam a constatar desvio de coluna pela posição curvada da cabeça e olhar fixo a uma distância de 20 cm. Comprovadamente é um desvio de atenção e uma concentração que tira o foco de qualquer atividade produtiva. Pessoas caminham cabisbaixas e alienadas ao que se passa ao redor, chegando a dar trombadas e sofrendo quedas. Esta maravilha acionada desde a tenra infância aproxima os distantes, mas afasta os próximos. Não há mais reunião de família ou encontro amistoso de bom convívio e atenção aos diálogos. Qualquer WhatsApp ou Mensagem passa a ter prioridade sobre quaisquer outras coisas.

 

Na rotina diária muitas das interrupções nada tem a ver com o trabalho; são redes sociais, games e filmes que distraem as pessoas.

 

Na próxima veremos mais doses de produtividade.

08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – X

DOSES DE PRODUTIVIDADE – X   Depois de comentar sobre a influência positiva do aumento da velocidade na produtividade na última dose, deparei-me com sua redução na Marginal do Pinheiros. […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – IX

DOSES DE PRODUTIVIDADE – IX   Voltei! Como prescrito anteriormente, fiz minha pausa e fui para longe: Países Bálticos e Rússia. Ampliei conhecimentos embora meu HD estivesse sobrecarregado com tantas informações […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – VIII

DOSES DE PRODUTIVIDADE – VIII   Como já comentado nas doses anteriores, tudo aquilo que não é Custo Diretamente Variável se enquadra na categoria de DESPESA OPERACIONAL (DO). Folha de […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – VII

DOSES DE PRODUTIVIDADE – VII   Outro item crítico da DESPESA OPERACIONAL é a ENERGIA, principalmente a elétrica, não só nas indústrias como também nos escritórios.   Além dos escorchantes […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – VI

DOSES DE PRODUTIVIDADE – VI Ainda tratando da DESPESA OPERACIONAL, precisa-se de doses de produtividade complementares para combater o segundo item crítico – os ESTOQUES. O inventário em estoque tem […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – V

DOSES DE PRODUTIVIDADE – V Ainda tratando da DESPESA OPERACIONAL, precisa-se de doses de produtividade complementares para combater o segundo item crítico – os ESTOQUES. O inventário em estoque tem […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – IV

DOSES DE PRODUTIVIDADE – IV Vimos algumas doses de produtividade para remediar a DESPESA OPERACIONAL, onde a folha de pagamento é a de maior peso em todo tipo de empresa, […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – III

DOSES DE PRODUTIVIDADE – III Sabemos que Lucro é a diferença entre GANHO e DESPESA OPERACIONAL. Portanto, Aumentar G ou reduzir DO ou os dois simultaneamente, assegura o LUCRO com […]
08/09/2015

DOSES DE PRODUTIVIDADE – II

DOSES DE PRODUTIVIDADE – II Conhecidos os medidores essenciais, analisemos agora as doses necessárias para incremento da produtividade.   O GANHO é, sem dúvida, o mais preocupante. Seus sintomas ocorrem […]